Sempre que um ano novo se inicia, há uma movimentação das pessoas para saber sobre as tendências do setor econômico. Afinal, esse assunto afeta a vida de todos, principalmente no meio empresarial. Foi pensando nisso que desenvolvemos este post, que falará sobre a economia brasileira em 2019.

Fazer uma projeção econômica para 2019 é um tanto quanto difícil, até mesmo para os economistas mais experientes. Isso porque o nosso cenário é bastante complexo e envolve questões de anos anteriores, que ainda refletem no período atual.

O impeachment da ex-presidenta Dilma Roussef (PT) e o governo impopular de seu sucessor, Michel Temer (MDB), contribuem para o esse cenário adverso. Além disso, temos a eleição de um novo representante, Jair Bolsonaro (PSL), que deve implementar mudanças em alguns setores.

Veja, a seguir, um breve resumo sobre os principais tópicos que envolvem a economia brasileira em 2019 e as projeções para cada área.

Movimentos do mercado financeiro

De acordo com uma reportagem da EBC Brasil, a estimativa do Produto Interno Bruto (PIB), que era de 2,5%, foi ajustada para 2,48%. Já quando falamos na cotação do dólar, a mesma publicação diz que o valor deve permanecer na média de R$ 3,70 até o final deste ano.

Em entrevista ao portal G1, a economista Alessandra Ribeiro comentou que, com base nesses dados, a economia brasileira em 2019 deve apresentar um crescimento gradual, mas sem tração, ou seja, em um ritmo um pouco lento.

Mercado de trabalho

No que se refere ao mercado de trabalho, a tendência é que novas vagas formais sejam criadas. Isso é um reflexo das alterações propostas na Reforma Trabalhista, aprovado no governo do emedebista Michel Temer, que flexibiliza os modelos de contratação, regulamentando o trabalho intermitente, por exemplo.

O portal G1 fez um levantamento com analistas de mercado e eles projetam a criação de uma média que varia entre 590 mil e 870 mil novas vagas de trabalho no decorrer de 2019.

Expectativas de crescimento no pós-crise

Ao portal Brasil Debate, as pesquisadoras Cristina Reis e Tatiana Berringer apresentaram um dossiê com uma análise do crescimento do Brasil no período pós-crise.

Segundo os estudos da dupla, após o processo de impeachment de Dilma, em 2016, há um aprofundamento da dependência externa para o nosso país. Em palavras mais populares, podemos dizer que o Brasil “perdeu pontos” com os investidores externos e agora precisa recuperar a reputação, para atrair novos investimentos e, assim, impulsionar a economia.

Reflexos do novo governo na economia brasileira em 2019

Em janeiro deste ano, Jair Bolsonaro tomou posse como o novo presidente do Brasil. Em seu quadro de ministros, o responsável pela economia é Paulo Guedes, que tenta emplacar o projeto de Reforma da Previdência.

Para alguns especialistas, essa reforma é crucial para a retomada no cenário econômico brasileiro. É por isso que um dos principais desafios do novo governo é articular os deputados para que o projeto tenha aprovação na Câmara e também ganhe apelo popular.

Em resumo, podemos dizer que o cenário da economia brasileira em 2019 é de incerteza, porém, com ideias de abertura de mercado e retomada nos investimentos. Novos rumos devem ser indicados após a aprovação ou rejeição da proposta de Reforma da Previdência.

Este artigo foi útil para você? Então também o compartilhe nas redes sociais! Assim, os seus amigos também terão acesso a ele!

Escreva um comentário